Crianças na internet: 6 maneiras de manter seus filhos seguros

KASPERSKY LAB 10-2010

Crianças na internet: 6 maneiras de manter seus filhos seguros

Quem tem filhos sabe que as crianças são ainda mais adeptas à tecnologia do que os adultos. Elas adoram a internet e sabem que esse mundo é capaz de proporcionar muitas maravilhas, de joguinhos a videoclipes das suas bandas e desenhos favoritos.

O que elas não sabem é como evitar vírus, cuidar da sua privacidade online, comportarem-se adequadamente em redes sociais, entre milhões de outros factores que podem levantar questões de segurança. São os pais que têm que lhes ensinar isso.

Confere seis dicas de especialistas em segurança para ensinar os seus filhos a serem cidadãos responsáveis da internet:

1. Comece a discutir a segurança online em uma idade precoce

“Eu acho que uma das coisas fundamentais é iniciar o processo de discussão de segurança online com seus filhos em tenra idade, quando eles começarem a usar a internet”, diz David Emm, pesquisador sênior de segurança da empresa Kaspersky Lab Internet.

Se eles ainda estiverem usando o computador com você, em vez de forma independente, isso oferece uma oportunidade para destacar o fato de que o mundo online é paralelo ao mundo real e que há coisas seguras e inseguras por lá. Você pode discutir assuntos como senhas e instalar softwares de proteção contra vírus.

“À medida que [seus filhos] envelhecem e começam a fazer as coisas de forma independente, amplie o círculo. Por exemplo, ajude-os a criar uma senha sensata e explique por que eles devem usar senhas diferentes para cada conta e as possíveis consequências de não fazer isso”, explica Emm.

2. Não faça online o que não faria off-line

“O conselho que eu dou a minha própria família e amigos é: ‘Se você não faria cara-a-cara, não faça online”, diz Shelagh McManus, advogada de segurança online para o software de segurança Norton by Symantec. “Por exemplo, você iria até um completo estranho e iniciaria uma conversa? Seria abusivo com amigos ou desconhecidos em um pub ou bar?”, explica.

Explique aos seus filhos que, uma vez que eles tenham escrito algo online, não podem excluí-lo. É bom lembrar as crianças que tudo o que elas fazem na web é capturado para sempre e pode atrapalhá-las um dia. Muitos empregadores, por exemplo, fuçam perfis de mídia social ao pesquisar candidatos para empregos.

Pode ser uma boa ideia ser amigo dos seus filhos em redes como Facebook, Instagram, Twitter, etc. Se eles pensarem em postar uma foto ou um comentário que acham que seus pais não deveriam ver, então é algo que provavelmente não pertence ao domínio público e eles serão menos propensos a compartilhar essa informação.

3. Cuidado com estranhos também vale online

Amichai Shulman, CTO da empresa de segurança de rede Imperva, costuma explicar a seus filhos que hackers são um tipo de criminoso que invade sua casa através do computador, em vez de através da janela. “É fácil para eles entenderem isso”, afirma.

Ele ensina suas crianças a tomar cuidado com estranhos online tanto quanto deveriam no mundo físico. Por exemplo, ele não permite que seus filhos abram um e-mail se eles não souberem quem o enviou, da mesma maneira que eles não aceitariam um presente de um estranho.

Vale também lembrar que muitas vezes crianças aceitam pedidos de contatos de pessoas que não conhecem porque o número de amigos em redes sociais se tornou uma espécie de “concurso de popularidade”. Pessoas que não têm boas intenções sabem disso e tentam se infiltrar dessa maneira no círculo íntimo das crianças e adolescentes. É bom lembrar aos seus filhos que eles não devem aceitar pedidos de amizade de estranhos em redes sociais.

Ainda, os pais podem explicar aos seus filhos o que é conteúdo impróprio e que na web também existem pessoas más. “Da mesma forma que, uma geração atrás, fomos informados para gritar alto quando éramos abordados por um desconhecido, nós dizemos as nossas meninas para nos contar imediatamente de qualquer abordagem online”, diz Dave King, executivo-chefe da empresa de gestão de reputação online Digitalis.

Do mesmo jeito que você conversa com seu filho sobre bullying, pode falar de bullying online (ou trolling), ou de pedófilos no mundo virtual. “Em última análise, queremos manter a inocência delas, mas se antes tínhamos que ter crianças que sabiam se virar na rua, agora precisamos de crianças que saibam se virar na internet”, argumenta King.

4. Comunicação é chave

“Eu falo com a minha filha regularmente sobre quais sites ela está usando e, dada a sua idade, eu pessoalmente veto todos os downloads de aplicativos. Desta forma, eu posso fazer um julgamento sobre se acho que ele é seguro e apropriado para ela usar primeiro”, diz Samantha Humphries-Swift, gerente de produto da empresa de cibersegurança McAfee Labs.

A comunicação é fundamental – seja aberto, acessível e compreensivo com seus filhos, para que se torne mais fácil para eles vir até você e pedir conselhos ou perguntar sobre algo que eles acharam estranho. Caso vocês tenham um bom diálogo, é provável que seu filho lhe pergunte primeiro antes de abrir um chat com um desconhecido, por exemplo.

5. Esteja junto com seus filhos quando eles usam a internet, ou os monitore de longe

Muitos pais não querem ser “espiões” nem ficar fuçando nas coisas dos filhos, o que é ok. Outros não podem estar sempre junto quando as crianças estão na internet, o que é normal também. Proibi-los de usar o computador na sua ausência não é uma boa ideia porque, no geral, proibido é mais gostoso.

Sendo assim, peça para ver os dispositivos móveis dos seus filhos de vez em quando. Ou esteja por perto, vez ou outra, quando eles estiverem navegando a internet. Vale a pena dar uma olhada em quais aplicativos estão instalados no seu celular e, caso não esteja familiarizado com algum deles, faça uma investigação. Dessa forma, você pelo menos conhece os tipos de serviços de mídia social que seu filho está usando e para que servem.

6. Ensine seus filhos como evitar os principais problemas de segurança online

Não custa explicar aos seus filhos coisas como “sites podem te redirecionar para outros sites sem que você esteja consciente”, “não baixe aplicativos que você não sabe para que servem”, “baixar arquivos online traz um risco de vírus, use o software antivírus primeiro”, “não compartilhe informações pessoais, como telefone, através da internet, a não ser que você saiba que aquele compartilhamento é privado” etc.

Outra dica é: para educar, é preciso aprender. Se você não sabe, aprenda primeiro, depois passe a informação a seus filhos.

“Não entregue qualquer dispositivo conectado à internet a seus filhos antes de saber como ele funciona. Eu conheci pais que não estavam cientes de que um iPod podia se conectar à internet, deram um a seu filho 10 anos de idade que, em seguida, conseguiu compartilhar um vídeo da filha de seu vizinho de biquíni online. Os vizinhos ficaram, com razão, chateados”, explica François Amigorena, executivo-chefe da empresa de software IS Decisions.

Fonte: TheGuardian

Outra grande fonte com 20 formas de proteger os seus filhos online (Ingês)

Guia para proteger os seus filhos do Smartphone (Inglês)

Gostaste deste artigo? Então partilha com os teus amigos nas tuas redes sociais.

Vê também:

A Importância da Alimentação Saudável Dos Seus Filhos!

Conheça as Filhas e Filhos de 23 Actores Famosos de Hollywood

Este casal brasileiro tem 13 filhos, e não vai desistir até uma menina nascer

Afinal a maior familia do mundo é a de Tchikuteny que tem 43 mulheres 167 filhos

Afinal a maior familia do mundo é a de Tchikuteny que tem 43 mulheres 167 filhos

Lydia Fairchild a mulher com 2 conjuntos diferentes de ADN e os filhos que não são dela?!?!?!

Porque não deves deixar os teus filhos sozinhos 🙂