Irias para um resort que já foi um campo de concentração?

Irias para um resort que já foi um campo de concentração? Esta foi pergunta que irritou os membros das família daqueles que foram presos num forte do Mar Adriático e que o governo aprovou um projecto que poderia transformar o centro histórico de Montenegro num resort de luxo.

 

O forte na Ilha Mamula foi construído em 1853 pelo general Austro-húngaro Lazar Mamula como parte de planos de contingência de seu exército e prevenção de navios inimigos de entrarem na baía Boka. Durante a Segunda Guerra Mundial, o líder fascista da Itália Benito Mussolini converteu o forte em um campo de concentração. Cerca de 2.000 prisioneiros foram mantidos no local, dos quais 80 foram executados e outros 50 ou mais morreram de fome nas condições sombrias e duras do campo de concentração.

 

Apesar de passado sombrio da ilha,o parlamento montenegrino aprovou um projeto da empresa Sueco-egípcia Orascom que irá transformar o forte, atualmente abandonado em um resort com restaurantes, spa e discotecas.

 

A decisão enfureceu os parentes dos antigos prisioneiros.

 

Olivera Doklestic, cujo avô, pai e tio foram presas na fortaleza da ilha, disse: “Construir um hotel de luxo dedicado ao entretenimento neste lugar onde tantas pessoas morreram e sofreram é um exemplo gritante da falta de seriedade em relação à história”. Ela acrescentou que a fortaleza deve ser renovada e aberta aos visitantes como um local histórico, não como um hotel.

 

Nenhum campo de concentração no mundo foi transformado num hotel, diz Olivera.

 

O governo montenegrino defendeu sua decisão, dizendo que o projeto vai impulsionar a economia local. “Estávamos diante de duas opções: deixar o local virar ruína ou encontrar investidores que estariam dispostos à restaurá-lo e torná-lo acessível aos visitantes”, disse Olivera Brajovic, chefe nacional de Montenegro para o desenvolvimento do turismo.

 

Os desenvolvedores divulgaram um comunicado dizendo que “o projeto vai ser solidário com a arquitetura local e vai preservar completamente o valor histórico da ilha.” A empresa também se comprometeu a construir uma sala de lembrança para as vítimas, mas aqueles contra disseram que prefeririam ver a história da ilha preservada.

 

mamula-island-fort-1[2]

 

mamula-island-fort-2[2]

 

mamula-island-fort-4[6]

 

mamula-island-fort-5[2]

 

mamula-island-fort-6[2]

 

mamula-island-fort-7[2]

 

mamula-island-fort-8[2]

 

mamula-island-fort-9[2]