Piadas retiradas do livro ‘Desordem no tribunal’ :)

Piadas retiradas do livro ‘Desordem no tribunal’ 🙂

Deixo-vos aqui com umas frases engraçadas que foram mesmo ditas em tribunal e transcritas pelos taquígrafos. Vale a pena ler para alegrar este dia 🙂

Advogado: Qual é a data do seu aniversário?
Testemunha: 15 de Julho.
Advogado: Que ano?
Testemunha: Todos os anos.

 


 

Advogado: Essa doença, a miastenia gravis, afecta a sua memória?
Testemunha: Sim.
Advogado: E de que modo ela afecta a sua memória?
Testemunha: Eu esqueço-me das coisas.
Advogado: Esquece… Pode nos dar um exemplo de algo que se tenha esquecido?

 


 

Advogado: Que idade tem o seu filho?
Testemunha: 38 ou 35, não me lembro bem
Advogado: Há quanto tempo ele mora consigo ?
Testemunha: Há para aí uns 45 anos.

 

[pub_quadro_exoclick]


 

Advogado: Qual foi a primeira coisa que o seu marido lhe disse quando acordou aquela manhã?
Testemunha: Ele disse, ‘Onde é que eu estou, Berta?
Advogado: E por que é que isso a aborreceu?
Testemunha: O meu nome é Célia.

 


 

Advogado: Poderia descrever o suspeito?
Testemunha: Ele tinha estatura mediana e usava barba comprida
Advogado: E era homem ou mulher?

 


 

Advogado: Aqui no tribunal, para cada pergunta que eu lhe fizer, a sua resposta deve ser oral, compreendeu bem? Vamos começar: Que escola frequenta?
Testemunha: Oral..


 

Advogado: Dr. o senhor lembra-se da hora em que começou a examinar o corpo da vítima?
Testemunha: Sim, comecei a autópsia às 20.30 h.
Advogado: E o Sr. Décio já estava morto a essa hora?
Testemunha: ??? Não… Ele estava deitado na maca a perguntar por que razão lhe estavam a fazer uma autópsia.

 

[pub_quadro_exoclick]


 

Advogado: Dr. antes de fazer a autópsia, o senhor verificou o pulso da vítima?
Testemunha: Não senhor.
Advogado: O senhor verificou a pressão arterial?
Testemunha: Não senhor
Advogado: O senhor verificou a respiração?
Testemunha: Não.
Advogado: Então, é possível que a vítima estivesse viva quando a autópsia começou?
Testemunha: ?? Não.
Advogado: Como é que o senhor pode ter a certeza?
Testemunha: Porque o cérebro do paciente estava num jarro em cima da mesa.
Advogado: Mas poderia ele estar vivo mesmo assim?
Testemunha: Sim, é bem possível que ele estivesse vivo e a tirar o curso de Direito na universidade em que o Sr. tirou o seu!