Como a pornografia na internet está a mudar como homens e mulheres fazem sexo

Como a pornografia na internet está a mudar como homens e mulheres fazem sexo

A satisfação sexual não só é importante para a ligação de um casal dentro de um relacionamento, mas também para nossa própria saúde psicológica. Por isso, há uma preocupação de que homens e mulheres hoje podem estar tendo vidas sexuais menos ativas do que no passado. Um dos motivos é o fato da internet ter alterado a sexualidade humana de várias maneiras.

Naturalmente, ela teve impactos positivos. A Internet ajudou a normalizar comportamentos sexuais como o masoquismo e revelou ao mundo diferentes configurações de relacionamento, como o poliamor, que naturalmente influenciam o sexo. A internet também pode ajudar quem tem determinados fetiches a se sentirem satisfeitos e aceitos pela comunidade.

Mas também há más notícias. A Internet pode estar fazendo com que uma parcela dos homens experimente disfunção erétil induzida pela pornografia. A obsessão por pornografia na Internet, juntamente com a masturbação crônica, diminui o interesse ou a capacidade quando chega a hora de estar com um parceiro ou uma parceira. A comunidade urológica tem discutido se esta é uma condição legítima. Um artigo de pesquisa em particular afirma que, em vez de um problema físico, esses homens podem se condicionar ao orgasmo somente com um certo tipo de estímulo, seja tátil ou visual, o que pode os desconcentrar na hora do sexo real.

Agora, pela primeira vez, um estudo publicado no Journal of Sex Research, examina como a pornografia na internet pode ter impactado o funcionamento sexual feminino. Essas descobertas também provocam maiores questões sobre o quanto a sexualidade é um comportamento biológico, o quanto é psicológico e quanto é social. O orgasmo feminino é visto como o auge do encontro sexual. Então, a pornografia na Internet aumentou ou inibiu o clímax feminino?

Léa J. Séguin, da Universidade de Quebec, em Montreal, liderou o estudo. O que os pesquisadores descobriram foi que, não era a idade em que a masturbação começava ou a destreza de uma mulher na busca pelo orgasmo, nem o número de parceiros sexuais que ela possuía. O que determina se ela pode ou não chegar ao orgasmo durante o sexo é se ela está atenta durante a experiência e como ela se sente com o parceiro.

As representações sociais, que aparecem em uma variedade de meios de comunicação, podem influenciar a forma como as experiências sexuais são percebidas e compreendidas, escreveram os pesquisadores.

Embora a pornografia não seja o único meio em que o orgasmo é retratado, é o mais explícito, e é generalizado e facilmente acessível”. O que eles analisaram foi como o orgasmo masculino e feminino foi retratado em 50 dos vídeos mais vistos do site Pornhub. Cada um foi analisado e codificado para a “frequência do orgasmo masculino e feminino”. Os pesquisadores codificaram o conteúdo pela indução ao orgasmo que o casal envolvido no ato sexual na tela estava envolvido. Isso inclui indicadores auditivos e visuais.

O orgasmo feminino

Este estudo descobriu que, embora os homens tenham chegado ao orgasmo em 78% das vezes nesses vídeos, as mulheres o fizeram apenas 18,3% das vezes. Dentro desses 18,3%, a estimulação do clitóris – a maneira pela qual a maioria das mulheres chega ao orgasmo – ocorreu apenas 25% das vezes. A mensagem que isso envia, dizem os pesquisadores, é que o orgasmo masculino é um imperativo, enquanto o feminino não é. Eles também escreveram que “a pornografia convencional promove e perpetua muitas expectativas pouco realistas em relação ao orgasmo das mulheres”.

As pesquisas mostram que há uma grande variedade de quando e como as mulheres chegam ao clímax. A maioria das mulheres só começa a ter orgasmos regulares entre os 20 ou 30 anos. Maior conforto com o sexo e seus corpos pode ser o motivo para isso.

Outra questão é que algumas mulheres, naturalmente, têm dificuldade em chegar ao orgasmo. Eles podem não chegar ao clímax regularmente como resultado disso. Estudos têm demonstrado que a capacidade de chegar ao clímax através da relação sexual e, em menor grau, da masturbação, é pelo menos parcialmente de natureza genética. O resto são “processos físicos ou respostas subjetivas a esses processos”. Os resultados deste estudo se enquadram no que é conhecido como teoria do roteiro sexual, que afirma que os seres humanos se enquadram em certos scripts sexuais que a sociedade considera aceitáveis.

Um estudo publicado no ano passado na revista Socioaffective Neuroscience & Psychology, teve algumas descobertas interessantes sobre o orgasmo feminino. Usando estatísticas de pesquisas nacionais, eles analisaram as experiências sexuais de mais de 8 mil mulheres finlandesas. O número de mulheres que dizia que tinham orgasmos durante o sexo sempre ou quase assim caiu 10% entre 1999 e 2015. A pornografia na Internet e expectativas pouco realistas podem ter desempenhado um papel nisso. Mas os pesquisadores também identificaram outros motivos.

A Finlândia foi escolhida porque é um dos poucos países com pesquisas representativas nacionais de atividades e valores sexuais entre a população adulta. Essa pesquisa foi realizada nos anos de 1971, 1992, 1999, 2007 e 2015. A sexualidade das pessoas se tornou mais liberal ao longo do tempo, os dados mostram, seguindo uma tendência similar no resto da Europa Ocidental.

De acordo com este estudo, a mulher chegar ou não durante o sexo dependia de sua autoestima sexual, o quanto ela e seu parceiro estavam se comunicando sexualmente, quão hábil ela se sente na cama e suas próprias limitações sexuais. Outros fatores incluíram a capacidade de concentração durante o sexo e a técnica de seu parceiro. As coisas que impediram as mulheres de chegarem ao clímax foram fadiga, dificuldade de concentração e estresse. Enquanto 50% das mulheres em um relacionamento disseram que chegavam ao orgasmo durante o sexo na maioria das vezes, apenas 40% das mulheres solteiras diziam o mesmo.

Em resumo, casais que se comunicam bem, especialmente sobre desejos e fantasias, estão conscientes durante o sexo e fazem coisas para aumentar sua conexão, têm as melhores vidas sexuais, com orgasmos para ambos os parceiros. Isso contando que eles não fiquem obcecados com a pornografia na internet.

Big Think

Gostaste deste artigo? Então partilha com os teus amigos nas tuas redes sociais.

Vê também:

Por que as pessoas evitam o sexo?

Sexo oral e doenças transmissíveis. Cinco mitos que deves esquecer

7 sinais que o corpo dá quando precisas de Sexo

10 factos estranhos sobre o sexo que provavelmente nunca tinhas lido

8 filmes com cenas reais de sexo

50 Razões para Homens e Mulheres Fazerem Sexo

As pessoas fazem mais sexo no verão ou no inverno?